Autoestima

Relacionamentos tóxicos: Como identificar e escapar

14 de junho de 2018
Natália Leite

author:

Relacionamentos tóxicos: Como identificar e escapar

Por muitos e muitos anos eu vivi relacionamentos bem ruins. Vivia com medo de ser abandonada, insegura em relação a minha aparência, meu valor.  Era traída sistematicamente.  Mudavam os personagens (namorados), mas a história se repetia.  Você já passou por isso?  Já teve a sensação de que só se envolve com o mesmo tipo? E que é um tipo que não funciona? Te faz sofrer, se culpar, se afastar das pessoas que gostam de você.
Essa semana, por conta do Dia dos Namorados, fizemos um papo online sobre esse assunto.  Você pode assistir clicando neste link.  Mas se o seu tempo estiver curto ou você preferir ler, deixo aqui um resuminho do que rolou na conversa online.

Deixe de ser escolhida. Escolha 

Já observou como a gente é cuidadosa quando vai escolher algo para comprar – um presente, uma roupa,  o destino das próximas férias.  A gente olha com atenção e temos muito claro o que não aceitamos.  Até na hora de comprar seu almoço você sabe o que fica de fora do seu prato com certeza.  Agora, quando o assunto é relacionamento amoroso, a gente esquece de observar o básico: os valores dessa pessoa combinam com os meus?  Tem algo no modo de ser ou se expressar que me fere?  Gosto de citar a jornalista Natalia Souza que diz, “o amor é uma casa grande onde você deve caber inteira.  Ninguém deve se diminuir para caber na vida de outra pessoa.”
Muitas, muitas vezes mesmo, o desejo de se apaixonar, a vontade de estar numa relação é tão grande que a gente se deixa escolher e faz um esforço danado pra se convencer de que aquele ali é suficiente.  E que as partes muito ruins a gente vai conseguir mudar.  Já viu algo parecido?  Ele traiu todas as ex.  Mas você tem certeza que com você vai ser diferente.  Mente pro chefe, pra mãe…. Mas com você, por você, vai mudar…. Compartilho com você algo que me foi muito útil, quando resolvi romper a sequencia de relacionamentos ruins.

Saiba o que é inegociável

A sugestão é que você faça um exercício para se dar conta do que é essencial num relacionamento.  Quais são os valores, os princípios de vida, que o par precisa ter para te fazer bem?  Bom humor é importante?  Te respeitar ? Ser honesto?  Lembre-se: se diminuir para caber na vida do outro não é sustentável, a gente não aguenta por muito tempo, acaba ficando com a alma doente, partida.  Escreva, desenhe, faça como quiser.  O importante é que, ao final do seu empenho, você saiba o que é inegociável e nem troque telefone quando enxergar o que te faz mal em alguém.  Vamos ser criteriosas nos relacionamentos como somos criteriosas em outras áreas. Combinado?

Supere o fantasma: o medo de ficar sozinha

A gente precisa estar em paz com a nossa própria companhia. Não estou dizendo que é fácil, nem que acontece de uma hora para outra.  Estou dizendo que é possível. O novo só floresce quando a gente abre espaço para ele na nossa vida. Emendando uma relação mais ou menos atrás da outra (por medo de ficar só) é bem mais difícil enxergar as possibilidades de valor.  Fechar para balanço depois e um rompimento e usar o tempo para se conhecer melhor, se gostar mais, muitas vezes é ponto de virada.

Não vem pronto

A gente aprendeu nas novelas e nos filmes que, numa troca de olhares, o amor se apresenta.  Se beijaram pela primeira vez e foram felizes para sempre, né? Só que na vida real…. Qual é a chance?  Dá pra se encantar, dá pra viver uma tórrida paixão num estalar de dedos.  Mas pra viver a segurança, o aconchego e a paz que amor carrega em si já é bastante diferente.  Amor precisa ser construído, leva tempo, dá um trabalho danado.  Tem que ser autêntica, dizer o que gosta e o que não gosta.  Negociar muito.  Ceder.  Estar disposta a regar aquela semente todos os dias, até que floresça.
Não há receita de bolo, nem regra alguma que traga garantia de um relacionamento feliz. É como obra de casa, tem tijolo pra assentar todo dia.  E quando ficam prontas as paredes a gente precisa decorar, depois ampliar, reformar.  É uma jornada que só se torna bonita quando a gente consegue ser fiel a si mesma e consegue abandonar o velho hábito de se diminuir para caber no tamanho do outro.
Quer se aprofundar neste assunto?  Clique aqui pra assistir o papo online?  Lembrou de uma amiga que precisa ler isso? Manda o link pra ela! Me ajuda a distribuir esta mensagem? Quando uma mulher evolui, todas nós avançamos juntas.
[epico_capture_sc id=”1550″]
Lembre-se a Escola de Você também está na TV, sabia?  O programa Superpoderosas vai ao ar todas as manhãs, das 9h50 às 11h na tela da Band para todo Brasil. Te espero lá!

5 Comments
  1. Roberta Alves Santos

    Um texto para fazer muitas reflexões . Eu sempre envio os textos para as pessoas que conheço,pois as informações são inspiradoras. Vamos juntas!

  2. Maria de Fátima Monteiro da SIlva

    Bom dia! Excelente! Devemos fazer nossas escolhas ,portanto, antes temos que parar e pensar"vale a pena". Cada dia vivenciamos situações diferentes,cabe a nós,aprender sempre,pois a vida e um eterno aprendizado.

  3. Kelly Cristina Moura

    Ótimo texto

  4. Giuliana Mota de Mesquita

    "É como obra de casa, tem tijolo pra assentar todo dia. E quando ficam prontas as paredes a gente precisa decorar, depois ampliar, reformar. É uma jornada que só se torna bonita quando a gente consegue ser fiel a si mesma e consegue abandonar o velho hábito de se diminuir para caber no tamanho do outro." Sensacional a analogia, Nat! E como sempre, um texto maravilhoso e gostoso de ler.

  5. luciana

    Gostei muito desse site. Parabéns pelo trabalho :)

Comments are closed.

Leave a comment