Termômetro da excelência

Olá, querida leitora!

Tudo bem?

Me diz aí: Qual o grau de excelência das atividades que você realiza durante o dia?

Como assim, Scheila?

É simples. Eu explico.

Imagine que você possui um termômetro da excelência para verificar o grau da sua excelência nas diversas atividades que desempenha durante o dia.

Imaginou? Então responde aí:

Em quais atividades o seu termômetro atinge os níveis mais altos de excelência? E porquê?

E em quais atividades, ao contrário, os graus do seu termômetro caem lá embaixo? E por qual razão?

É claro que existem diversas atividades com as quais nos identificamos mais e naturalmente desprendemos mais entrega e excelência ao realizá-las. Assim como existem aquelas que não gostamos muito, mas que igualmente precisam ser bem feitas.

Tudo isso tem muita relação com propósito, vocação e amor por aquilo que fazemos. Quando estamos sintonizadas com aquilo que amamos, que nos realiza e nos faz sentido, a excelência é uma condição quase que natural no nosso fazer.

Não quero dizer que as pessoas que estão atuando em profissões que não gostam, por exemplo, não realizam e entregam um trabalho de excelência. Claro que não. Conheço diversas pessoas que não estão plenamente realizadas na profissão que atuam (e até estão trilhando um novo caminho profissional) e que buscam entregar o melhor de si em tudo o que realizam.

O que quero provocar aqui é uma reflexão sobre a excelência que entregamos nas diversas atividades que realizamos e a relação das mesmas com aquilo que realmente faz sentido para nós e com o nosso propósito de vida. E aí eu te pergunto mais uma coisa:

Você está sintonizada com aquilo que faz sentido para você?

É importante compreender que mesmo trabalhando com aquilo que amamos, sempre existirão aquelas atividades que não gostamos muito, mas que precisam ser feitas e bem feitas.

Ou talvez,você ainda não esteja trabalhando com aquilo que de fato deseja e tens de realizar diversas atividades das quais não gosta. E elas também precisam ser bem feitas.

Precisamos compreender, querida leitora, que somos como uma marca, ou melhor, NÓS SOMOS A NOSSA MARCA. Independente da atividade que realizamos, a forma como ela é feita e os seus resultados farão parte e definirão a nossa marca, desde as atividades mais simples até aquelas mais importantes.

O nosso fazer vai deixando rastros por onde passamos e tudo vai compondo, ao longo do tempo, a nossa marca. Independente da empresa que você trabalha ou da área que você atua, você sempre será a sua mais valiosa marca. E me diz aí: o que a sua marca diz sobre você? Como você descreve a sua marca?

Vou adorar ver a descrição das marcas das Escoletes nos comentários abaixo. Vamos lá?

Um forte abraço

Scheila Leal

Embaixadora da Escola de Você, Pedagoga, Coach e Escritora.

5 Comentários


  1. As marcas que procuro ter : ação com direção,pontualidade e resiliência. Além disso, procuro colocar excelência nas minhas ações depois de ler alguns textos do blog.

    Responder

  2. Independente do trabalho, que façamos, seja dirigir uma empresa ou lavar uma louça, sempre é melhor fazer com capricho e dedicação, procuro fazer dessa forma, e até mesmo as pequenas tarefas se tornam especiais!

    Responder

Deixe uma resposta